Guia para aplicação da norma ABNT ISO 5001 – Gestão de Energia

Autor: Lucas Rosa (lucas.rosa@gogreenonline.com.br)

A ISO 5001 foi criada em 2011 com o foco em estabelecer requisitos mínimos e específicos que assegurem a melhoria contínua do desempenho energético da organização que a adotar. O atendimento destes requisitos leva a organização a buscar a redução do seu consumo de energia, o aumento da eficiência energética e o melhor e mais adequado uso da energia necessária para atender suas necessidades. A ISO 5001 baseia-se em modelos de sistemas de gestão, como o de qualidade (ISO 9001) e o ambiental (ISO 14001).

A ISO 50001 tem por objetivos:

  • Dar suporte às organizações para que estabeleçam usos e consumos mais adequados de energia;
  • Criar uma comunicação fácil e transparente a respeito da gestão sobre recursos energéticos;
  • Promover as melhores práticas de gestão energética e reforçar os ganhos com a aplicação da gestão de energia;
  • Suportar a avaliação e priorização de implantação de novas tecnologias mais eficientes no uso da energia;
  • Estabelecer um cenário para promoção da eficiência energética através da cadeia de suprimento;
  • Favorecer a melhoria da gestão de energia em conjunto a projetos de redução de gases do efeito estufa;
  • Permitir a integração com outros sistemas de gestão organizacionais tais como ambiental e de saúde e segurança;

Os passos os quais o conteúdo deste guia foi organizado consistem em uma proposta básica para que uma organização, independentemente do seu segmento ou tamanho, possa se adequar aos requisitos estabelecidos na ABNT NBR ISO 5001 e buscar a melhoria contínua do seu desempenho energético.

O passo 1, “Contexto”, refere-se ao conhecimento dos aspectos energéticos gerais. Sua finalidade é elucidar todos os processos e usos da energia na esfera da organização. O passo 2, “Planejar”, trata do planejamento da gestão energética. O passo 3, “Gerenciar”, refere-se ao controle e gerenciamento do uso da energia dentro da organização. O passo 4, “Monitorar”, representa a etapa de verificação. O passo 5, “Melhorar”, aborda as ações para a melhoria contínua do Sistema de Gestão de Energia (SGEn) e, consequentemente, do desempenho energético da organização.

O primeiro passo destaca a necessidade de a organização conhecer as características e aspectos gerais que envolvem seus processos que demandam energia.

Para que este passo seja cumprido, é importante que se conheça alguns conceitos fundamentais que se caracterizam como base de sustentação de todo o sistema de gestão. Os principais elementos do SGEn são: Fronteiras, escopo, objetivos energéticos, metas energéticas, política energética, revisão energética, uso significativo de energia (USE), linha de base energética (LBE), indicador de desempenho energético (IDE), uso energético, consumo energético, eficiência energética, desempenho energético.

Uma vez conhecidos os conceitos utilizados num SGEn, uma equipe é designada para conduzir o processo internamente. Numa forma clássica de um sistema de gestão, define-se um líder e uma equipe multidisciplinar que se envolverá diretamente com os diversos aspectos e requisitos. A preparação inicial exige, tanto do líder quanto do restante da equipe, um aprofundamento sobre os processos intrínsecos à organização, particularmente aqueles que envolvem diretamente uso de energia.

O segundo passo é um dos mais importantes do processo. O planejamento é a fase durante a qual são estabelecidos os objetivos e metas energéticas. É, portanto, o momento de a organização detalhar seus processos internos e os usos específicos que faz da energia. Em primeiro lugar, busca-se conhecer os aspectos históricos de consumo de energia, para identificar os tipos de energia utilizados e a sua distribuição entre os diversos processos da organização. Com base nessas informações, será possível definir as bases que sustentarão a medição sistemática do desempenho energético e analisar as melhoras a serem implementadas. O estabelecimento das linhas de base e dos indicadores de desempenho energético permite verificar se os objetivos e metas anteriormente estabelecidas estão sendo atendidas.

No terceiro passo, o gerenciamento do uso de energia é, obviamente, uma etapa fundamental para o sucesso de um SGEn. De maneira geral, este terceiro passo trata das questões operacionais da energia vinculadas a infraestrutura, processos, sistemas e equipamentos da organização. Inicialmente, seu conteúdo prevê a identificação de um conjunto de requisitos cujo objetivo é suportar a operação do SGEn, abordando aspectos práticos das demandas diárias, tais como recursos humanos, questões relacionadas a comunicação e documentação dos seus registros. Com base nos levantamentos realizados no segundo passo e considerando o conhecimento adquirido sobre as características de uso de energia e dos componentes e elementos associados, é possível determinar as condições adequadas de operação para garantir o atendimento aos objetivos e metas estabelecidos. Aquisição de novos sistemas ou equipamentos ou reformas de infraestrutura, por exemplo, podem representar oportunidades de melhoria do desempenho energético anteriormente inexistente.

O quarto passo é também fundamental para a efetividade do SGEn. Nesta etapa as melhorias projetadas, tanto do sistema propriamente dito quanto do desempenho energético, serão verificadas na realidade. Perguntas como “a minha organização realmente está melhorando continuamente o desempenho energético?” são respondidas com o auxílio do processo de monitoramento.

No quinto passo, deve-se tomar decisões e buscar a melhoria contínua do SGEn. Caso uma não conformidade seja identificada em alguma dessas avaliações, uma série de procedimentos integrantes de uma estratégia ampla de correção deve ser adotada pela organização visando reestabelecer a condição de normalidade. A existência de não conformidades no desenvolvimento das atividades e/ou no atendimento aos objetivos estabelecidos pode sugerir que uma revisão precisa ser feita com base na estrutura geral do SGEn.

Uma vez que sejam alcançados os objetivos inicialmente estabelecidos, durante um período determinado; devem-se buscar novos desafios em novas áreas, setores, diferentes usos de energia e envolvendo novas equipes.

O Sistema de Gestão de Energia introduzido pela ABNT NBR ISO 50001, fornece as ferramentas necessárias para que a melhoria contínua do desempenho energético faça parte do cotidiano da instituição que o implementou. Do ponto de vista restrito da organização, as ferramentas gerenciais previstas na ABNT NBR ISO 50001 possibilitam que o seu uso e consumo de energia sejam abordados no âmbito de um planejamento estratégico. Além da redução dos custos fixos e de produção, o tratamento da questão energética a partir de uma visão de longo prazo em que a melhoria contínua dos indicadores de consumo ocupa posição central, confere maior segurança em relação a eventuais choques de preços ou crises de desabastecimento de insumos energéticos.

Cinco anos após o seu lançamento, o SGEn vem se consolidando com uma ferramenta essencial para organizações que buscam, ao mesmo tempo, conformidade em relação aos principais desafios ambientais globais e aumento de competitividade frente a um mercado cada vez mais globalizado. A partir do lançamento desse guia, espera-se que as organizações interessadas na implementação da ABNT ISO 50001 atinjam seus objetivos adequadamente.

 

Fonte: GUIA PARA APLICAÇÃO DA NORMA ABNT NBR ISO 50001 – GESTÃO DE ENERGIA. International Copper Association Brazil – Copper Alliance